20120818

Nenhuma


Nenhuma
Só o vazio do espaço por contar
Nem chave
Nem sombra
Nem aves
Nem barca
Só a sede da vela ao longe por erguer
Nem maré
Nem nuvem
Nem tormenta
Só o vácuo do vento na torneira por abrir
Nem alegria
Nem tristeza
Só um manto de silêncio sem dor
Nem fadiga
Só a lembrança vadia sem tortura
Nenhuma

20120417

Brumas

Rosto enevoado
Olhar branco
Praia selvagem
Beleza ferida
Céu nublado
Gritos mudos
Sombra agreste
Muro que barra a passagem
Horizonte magoado
Breve aragem levadiça
Porta ao fundo quebradiça
Interior incerteza
Chuva sedenta de pão
Vento espelhado na alma
Pardacenta noite de verão
Embaciados sentidos
Passos arrastados no chão

Revoltem-se as águas
Reme-se contra a maré
E novos horizontes nasçam