20101224

É Natal

Paz e Amor
Saúde, Felicidade e Alegria
Desejam-se a todos nestes dias
Pois despontou a aurora na noite
Nas trevas brilhou uma Luz
Para nos apontar o caminho
Rompeu as sombras do mal
Da Virgem nasceu Jesus
Num presépio pobrezinho
Desceu para nós – é Natal!




Que nesta Quadra do Natal acolhamos esta Luz para que resplandeça pelo Novo Ano!

Boas Festas!


Adenda em 31. 12. 2010:

Sai um ano e entra outro
Para muitos de modo banal
Mas cresça um ano de luz
Que em todo o ano Natal!


Feliz 2011, para todos!

20101124

Transparência

Abre a janela
Deixa entrar a luz do dia
Essa transparência branca
Que alumia na manhã
Clara magia
Inspira fundo e absorve-a
Observa-a sente-a
Deixa que se troque de ares contigo
Te sorria e te alimente a fantasia
Respira a luz que te cega
Esse piscar de olhos
Esse mar transparente e sorridente ar
Ainda que tímido e leve
Deixa que te leve ao coração a Luz Maior
Que é energia é poesia é cor
A maior transparência que é Vida
E a Verdade e Todo Amor


20101005

A Chuva

Ah
A chuva
Essa primeira chuva de Outono
Na vidraça
Preguiça que é vontade
De não acordar ainda
Esse gosto de chuva
Na noite que finda e traz o dia
O cheiro a terra molhada
Que os sentidos inebria
Num sabor a paz
E ao mesmo tempo nostalgia

E o assobio do vento
Essa música de baile
Que faz dançar as folhas secas
Lá fora em rodopio
Soa cá dentro mais baixinho
Embalando este vagar
Devagarinho
No lusco-fusco da manhã fria
Que impele a estar no quente

Ah
mas a chuva
É mesmo a chuva
que me acalenta levemente


20100826

Em Tempo

Queima
O sol
A pele
Arde sem nuvens
O céu
Espelha fogo
O olhar
Transborda
O mar
A areia
Derrete
A cor
A dor
Desmaia
Em tempo
De amor

20100706

Calor

Calor rima com amor
Com pudor e sem ele
Uma vaga de suor
Um arrepio na pele
Uma dança
Um abraço
No compasso dessa dor
Que corre no fio do tempo
Na orla do cobertor

20100517

Naufrágio

Inspiro o ar da manhã
Como quem bebe
Nos lábios um beijo
E se entrega nessa magia

Encosto os olhos e absorvo
O odor da maré
Como quem recebe
No peito um abraço
E se encolhe nesse aperto

Acordo o olhar
E avisto ao longe o azul
Brilhando por entre as dunas
Confundindo-se com outro azul
Que sobe às alturas

Naufrago

Para naufragar
Não é necessária embarcação
Basta que a não haja

Mas dou à costa
E desperto...


20100321

É Poesia

O meu coração
É poesia
Em avalanche
Oceano em fúria
De rochas em fusão
Sacode tormento e dor
Explode emoção e cor
É aceso vulcão
De lava incandescente
Em insistente erupção
Brilha paixão e calor
Espelha centelhas de luz
Como sol abrasador
Pulsa
Arde
Destila
Sentires em ebulição
Jorra
Correntezas de amor
O meu coração
É poesia

20100212

Lago de águas mansas

A minha alma é um lago
Tranquilo
Só soprado aqui e ali
Por brisas
Ligeiras
E ondeado ao de leve
Por alados motins
Dos seres que o habitam

Alimentam-no regatos
Sussurrantes
E beijam-no a luz
Das estrelas
E da lua cheia

Busca a cor nas flores das margens
E nas aves que o sobrevoam

Perfuma-se do nascer
E do pôr-do-sol

Enamora-se dos pingos da chuva
E do arco-íris

É espelho do Sol que lhe dá a vida
Em dias de calmaria

Embora salpicado por neblinas
E temporais
É um lago
De águas mansas
A minha alma

20100111

Geada

Crepita o lume na lareira
Há geada no quintal
Lá fora aperta o frio
Cá dentro geme o meu rio

Não sei se é da chuva ou do vento
Calor não é de certeza
Muito embora brilhe o sol
Uma pessoa também se cansa

Cansam as rimas e a poesia
Cansam as canções e a música
A dança acelera o ritmo
Mas os acordes são os mesmos

Não sei se cante se cale
Se grite ou se me embale
Se fuja ou se me instale
Nem como enfrentar este mal