20090214

Bebidas inebriantes

Teu corpo molda-se ao meu
E o meu corpo ao teu
Juntos no lume de um abraço
E sem qualquer embaraço
Se saciam um no outro

Comungam corpos e almas
Bebidas inebriantes
Em manhãs suaves e calmas

20090203

Foi o frio

Foi o frio que me fustigou
E me vai impelindo ao quentinho

Mesmo se tu és o meu abrigo
E os teus braços o meu ninho
Os teus olhos sedução
Os teus lábios o meu vinho
E o meu corpo arde em paixão...

O frio marcou presença
Ditou a sua sentença
Emudeceu a caneta
Secou a inspiração
Deixou-me à espera do verão